quarta-feira, 30 de abril de 2008

domingo, 27 de abril de 2008

FOI CRUEL.

apesar de muitos movimentos, muita informação, acho fantástico o trabalho dos corpos colkerianos.
Aquele carnaval de cores e formas.
aquelas facas na mesa, que pareciam que em qualquer momento iam fincar no osso, do corpo tenso em dobradisso movimento.
Penso que pode ter sido excessivo o tanto de Cruel
Mas com certeza, se torna curioso o processo daquele espetáculo, a tensão daqueles bailarinos, o cada minuto até o fim de cada espetáculo daqueles movimentos.
Cruel é negar, naturalizar o mundo excesso, procurar crueza em corpos desse mundo.

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Entre vista - Uma pausa para palavras de um artisternauta

1. Qual seu nome completo?
1- Francis Carnaúba.

2. Qual sua profissão?
2- Estudante universitário - Estudos de Mídia (UFF).

3. Você acha que o espaço que a internet oferece para a publicação grátis de fotos e desenhos (em fotoblogs, flickr, etc) estimula ou não nas pessoas um interesse pela arte e pelo trabalho artístico profissional? A liberdade de publicação incentiva à produção artística ou a banalização dela? Por quê?
3- Eu acredito que as publicações estimulam a prática e o exercício da criatividade, principalmente por que para ocorrer a publicação, a iniciativa e a produção independem dos críticos (exceto no que se refere ao conteúdo que vá contra algumas regras desses meios) logo esse produtor "independente" se sente mais confortável para desenvolver suas idéias. Não acho que ocorra banalização do conteúdo, acho que existe um ritmo de superação do mesmo, do repetitivo, acho que todos estão tentando fazer algo novo.

4. Você acha que publicar trabalhos (desenhos, fotos, etc) na internet é um exercício válido, um treino para quem pretende ser um profissional? (seja na fotografia, no design, no desenho, etc)
4- Talvez esse ritmo constante de criações possa reformular nossos conceitos sobre arte, e eventualmente possa acarretar na diminuição de personalidades icônicas, o desaparecimento do grande artista, o destaque. Os espaços virtuais dedicados a esse fim expositivo, tem tanto potencial quanto espaços reais. Vemos trabalhos de grande qualidade feitos por muitas pessoas, que provavelmente estavam necessitando de um espaço ou de estímulo.


5. O que você considera como limite em publicações em fotoblogs? já soube de trabalhos em que os direitos autorais foram roubados?

5- Felizmente ou infelizmente, não soube de casos de roubo de direitos autorais, mas suponho que quem publica seus trabalhos na internet, por meio de fotoblogs ou o flickr, tenha em perspectiva a possibilidade de ter suas obras "copiadas" ou reformuladas. Como se vê acontecer muito em meios como o youtube onde o usuário pode fazer novas edições de obras pré-existentes, como filmes ou seriados. Já existem mecanismos para proteção dos mesmos, mas acho que não é possível haver grande controle, o que pode ditar novas mudanças na forma de se ver arte ou fazer arte. O que pode gerar desapego dos artistas a suas obras, como ocorre com os grafiteiros, por exemplo, que se preocupam simplesmente com a produção e a prática, após o termino do trabalho eles se separam da obra. Muito desses artistas consideram que após a assinatura, aquele grafite já não é mais deles.

6. Você é o moderador do fotolog DRAW? Se sim, qualquer desenho pode ser postado lá, ou há regras?
6- Sim, sou o moderador, essa função me foi passada pelo antigo moderador, http://www.flickr.com/photos/arieviln/, com quem eu desenvolvi grande amizade através do fotolog, por conta desse interesse em comum pelo desenho e a arte. Existem regras para as publicações dos desenhos, regras que se mantém desde o início do /draw, que pedem a consideração do usuário, como por exemplo, que não publiquem o mesmo desenho mais de uma vez por dia para que outros também tenham chances de publicar seus desenhos (permitindo a variedade de desenhos, que torna o /draw muito mais interessante). Também pedimos que não publiquem obras de outros desenhistas, o que dá ao /draw essa cara de veículo para trabalhos feitos pelos floggers para que não se torne uma espécie de fórum ou bate papo sobre arte ou desenhistas consagrados, além de evitar confusões com direitos autorais.
Qualquer desenho pode ser postado no /draw, contanto que não agrida a censura do fotolog.com no que se refere a conteúdo ofensivo ou pornográfico, já recebi algumas reclamações do "Big Brother" do fotolog e precisei deletar alguns desenhos por conta disso. Tentamos manter uma filosofia que abrange todo tipo de contribuidor independente de sua técnica, estilo, habilidade ou experiência. Acho que é um espaço convidativo ao desenhista iniciante, não há competições por maestria, além de ser um belo espaço de divulgação que já se tornou bem popular, pela américa latina principalmente. Só mantemos uma restrição quanto a publicação de desenhos vetorizados, para manter um pouco da aura que envolve o desenho feito à mão.

Entrevista por:
Luciana Teixeira - Faculdade UNIARA

Korean Plastic Surgery

CORTA E COLA? Do papel à Pele.

Uma matéria legal sobre o modelo de beleza de plástico koreano.

RECORTOUCOLOU

COLOU?

sexta-feira, 18 de abril de 2008

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Informação em italiano do artista Mimmo Rotella

http://www.undo.net/cgi-bin/openframe.pl?x=/cgi-bin/undo/magazines/magazines.pl%3Fid%3D1148932662%26riv%3Dartecont%26home%3D

Mimmo Rotella ( 1918 - 2006 )

"Pintor e "décollagiste" italiano. Estudou na Accademia di Belle Arti em Nápoles e em 1945 mudou-se para Roma, onde começou a produzir trabalhos de pintura segundo uma orientação expressionista. Em 1948 adoptou um idioma abstracto geométrico que acaba por rejeitar em 1952, ao regressar a Itália. Estudou nos Estados Unidos durante um ano e por volta de 1954 abandona a pintura em detrimento de uma nova técnica, a "décollage", que muitas vezes incluía filmes e cartazes. Em 1955 participou na exposição Esposizione d'arte attuale que leva a que seja considerado como um artista neo-dadaísta. Neste mesmo ano, teve uma exposição individual na Galleria del Naviglio em Milão, à qual se seguiram outras em Londres, Veneza e Zurique. Em 1961 foi convidado a integrar o grupo Nouveau Réalisme, do qual faziam parte outros artistas dedicados à "décollage". A partir de 1960 começou a dar especial relevo às imagens representadas em posters, geralmente baseadas na publicidade a produtos de consumo e de cinema, que introduziram uma temática bastante próxima da Arte Pop americana e inglesa do mesmo período. Em 1964 estabeleceu-se em Paris e executou trabalhos que intitulou de reportagens, fotografias projectadas na tela sensibilizada com uma emulsão fotográfica. Nos anos 80, regressou à "décollage", combinando geralmente posters rasgados, com tinta, ou eliminando-os através de bocados de papel colados. Pode ser considerado como um dos expoentes máximos do Nouveau Réalisme."

Decole!Decalque!Rasge!


MITZI TRACHTENBER
"The true pleasure of being primarily a collage artist is that it has infinite possibilities. This medium encourages me to experiment with any kind of material. Finding the discarded and used up detritus that is all around us allows me to bring it into my studio and through the process of simply showing up for work I can give it a new life. I try and bring order and structure and beauty into the most mundane things. Everything and anything can find its way into my work."
-Mitzi Trachtenberg

sexta-feira, 11 de abril de 2008

CORPO MADONA BARBIE

Aqui
madonna.jpg
A artista Rowena True utiliza uma colagem de corpos e tecnicas de stop motion.
Seu trabalho é bem legal, vale a pena dar uma olhada no site:

terça-feira, 8 de abril de 2008

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Carolee Schneeman


This photographic grid as eulogy. Scanned sequences of images consecrate nine people -- among the hundreds -- falling to their inescapable deaths. The computer process allows intimate contact with each horrific isolation in the desolate shifting space. In this communal nightmare, fleeting visual attributes of nine lives become clearer by enlargement. Our own vertiginous grief, rage and sorrow envelop each frame, each fragment of photographic evidence -- unexpectedly captured, made public. These enlargements personalize nine people, who in their normal work day were thrown by impact into a gravitational plunge, or chose to escape incineration by leaping into space.

Projeto Subsolo- Fernanda Magalhães+ Elisa de Magalhães.

Tive a oportunidade de receber por mala direta da artista Fernanda Magalhães o convite para o projeto PesquisasArtísticasPresentes, que aconteceu no Museu da República nessa quarta, realizado pelo núcleo subsolo.
Já conhecia o trabalho da artista, mas com certeza o contato direto com sua fala foi enriquecedor para outros pensamentos e inquietações.
Gosto muito de seus trabalhos e as colagens não podiam deixar de passar por aqui:

[fernanda+001+menor.jpg]

vou deixar o perfil(blogueiro)de Fernanda para consultas e contatos!

AQUI!

Falando agora do trabalho de Elisa de Magalhães fiquei muio tocada pela presença da dança, gostei muito dos seus trabalhos também.Os vídeos conseguiam ser simples(tecnicamente), porém muito complexos nas suas provocações.

Ocorreu um erro neste gadget